sexta-feira, 3 de julho de 2009

Michael Jackson

O rei do Pop baixou o véu.
Suas facetas negra e branca
só existirão no papel,
em tom pastel,
pra virar documentário de bacharel.
Shows a granel,
e para aguentar o tranco,
remédios em coquetel.
Foi genial e fiel,
muito embora não merecesse o Nobel.
Plagiou Peter Pan na Neverland de babel.
Tal qual protótipo de monstro de cordel,
parecia pinéu,
balançando sua criança
num quarto de hotel.
Agora que se foi,
o rei branco de alma negra,
descansa num mausoléu.
Longe de nós,
ele pratica seu Moonwalk no céu.

"No mere mortal can resist the Evil of the Thriller".
RIP, Michael.
Easy as 123.

Um comentário: