sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Rolo cinematográfico

E então é o fim.

Pratos e copos imundos jazem sobre a toalha branca.

Então é o fim, e eu não posso exigir mais nada.

Dou liberdade para que fale do meu jeito casmurro.

É o começo do fim e o fim do pouco que restava.

Andemos pela calçada fria sem as mãos unidas.

Então é o fim e eu não sei mais o que dizer.

Tomo um remédio para dor de cabeça, mas prefiro um para esquecer...

Faço questão de lembrar do começo da paixão.

Quero para sempre a memória do primeiro beijo.

Guardo comigo as palavras mais doces...

Nosso filme está nos créditos
e eu não acredito
que era um curta-metragem.


Então chegou o fim pra valer
não posso esquecer de dizer
que não guardo rancor.

O filme foi bom.
Agora é o momento
de dirigir outros mais!

2 comentários:

b-kaixao disse...

Odeio as letrinhas que sobem no fim.

Beijo.

Fernando disse...

Nossa pequena vida, cheia de curtas metragens.
Também não gosto das letras no final.