terça-feira, 22 de setembro de 2009

Amor, Humor

Pra não dizer que não, que eu não pensei em você ao longo do dia
eu vou lhe contar agora o que me causou asco e simpatia
mas não admito comentário algum
isso não nos levará a lugar nenhum...

Eu esperava meio cansada meio apática meio sonolenta
pelo ônibus que não passava, mas eu seguia atenta.
Foi então que aconteceu o que eu quero lhe contar
mas repito que nenhum comentário eu desejo escutar.

Passou por mim alguém sem rosto e sem expressão
mas não me fez diferença saber se tinha nome ou não.
Paralelo a mim, correu e deixou uma lembrança sua
que me fez parar de ouvir o barulho dos carros da rua.

Este tal que por mim passou trôpego e veloz
ressuscitou em minha alma uma memória atroz.
Confesso que não pude permanecer indiferente
e perdi o ônibus que passou em minha frente.

Aquele que passou, passou por outros, passou pacato
mas por mim passou com o mesmo perfume barato
que você insistia em usar em todas as ocasiões.
Nunca lhe entendi, mas você deve ter suas razões...

Passou por mim e deixou em mim uma saudade incurável
e você há de convir que saudade é um sentimentozinho um tanto desagradável!
Então eu pensei na última vez que fitei seus olhos por um momento
e confesso que não foi nada agradável perceber que foi há tanto, tanto tempo...

Eu quis ligar, pedir pra você voltar, quase me descontrolo...
Quis ter seu beijo, seu abraço, quis de novo deitar em seu colo.
E imagine você, a gente voltar a estar junto de fato...
A gente junto... por culpa de um perfume barato!

Então eu respirei, contei até dez, até vinte, contei até cinquenta à toa.
Deu vontade de lhe ligar pra contar essa piadinha boa
do perfume daquele que passou por mim e me lembrou do seu cheiro
o mesmo cheiro que até hoje está impregnado em meu travesseiro.

O que você achou disso, hein? Engraçada a vida, como o mundo gira!
Sinto saudade, claro, que pergunta! Não é mentira...
Mas quem sabe nós fiquemos melhor assim, né? Um tempo às vezes é bom.
A gente começa a se escutar, a ouvir nosso próprio som.

Boa noite pra você também! Durma com os anjos, querubim.
Ah, eu também tenho saudade, você sabe que sim.
Agora, antes de dormir, vou tomar meu remédio para epilepsia
e transformar toda essa experiência de vida em poesia...

2 comentários:

Fernando disse...

O amor definido por uma mulher que veio do planeta inacreditável.

Sussuro mudo hoje.

Breno Peres disse...

Fodástico!

Beijo, Nêga.