sábado, 12 de setembro de 2009

Passatempo

escuridão
claridade

paixão
racionalidade

amor
ódio

autora escondida
sal na ferida
de quem lê.

a vida anônima e incolor
de quem não sabe o sabor
de ser um vencedor.

rima rima rima rima
blá blá blá blá blá...
verso verso verso verso verso

ponto-e-vírgula
- Por favor, a próxima linha?
Tec tec tec

Publicar postagem
ou
viver de sacanagem?

Quero mais opções
quero aprender a voar
quero colorir sem me sujar

EU QUERO!

salnaferidadequem
.
.
.
quemlê?

4 comentários:

Gabriel Pinto disse...

Me agrada muito seus três últimos poemas, especialmente esse... fiquei extasiado quando o li...

P. Frassinetti disse...

leio e adoro!

Salomão disse...

Pºes|4 concRETA?

Eu geralmente ODEIO. E não é que gostei???

Fernando disse...

E ainda pergunta quem lê.

Ô aparecida, seu sal cicatrizou minhas feridas.

beijo