terça-feira, 20 de outubro de 2009

Recife

Ai, se D'us soubesse a saudade que tenho de Recife.
Da manhã
e
s
c
o
r
r
e
n
d
o

pela janela do quarto.
Da canga colorida, do cheiro doce do mar.

Ai, que saudade eu tenho
de mergulhar na praia salgada,
e na areia gelada
poder descansar.

A água-de-coco, o embalo da viva vivida por lá.
A noite
c
a
i
n
d
o,
meu D'us, quanta saudade!

Piedade, Olinda, Boa Viagem.

Eu sei que vivi, porque cresci em Recife.

Meu coração ainda flutua sob as ondas salgadas,
e um aportar de navio
apagará minhas p e g a d a s.

Recife, eu volto.

5 comentários:

Carlos Eduardo Mélo disse...

Além das belíssimas palavras, que me fizeram sentir saudades do meu lugar, mesmo ainda tendo meus pés nele, eu preciso lhe falar da construção magnifica do poema.
Achei extraordinária!!!!!

Antônio Sozinho disse...

"e frevo ainda, apesar da quarta-feira/ no cordão da saideira/ vendo a vida se enfeitar..."

Breno Peres disse...

Ah... E quando voltar...

Beijo.

Fernando disse...

e tá esperando o que pra voltar logo? :)

beijo

Renan disse...

Ouva-me :D www.myspace.com/panela50 Propaganda musical Gratuita =P