terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Algo, Olga

Algo, Olga.

Algo galgo, passo gago, gola alta, Olga.
Gelo e gole,
- Olha Olga
alga n'água, longa.
Galo bravo,
preste a Prestes,
emprestes tua Anita.
Lago fundo,
(fim do mundo),
olha bem, logo quem...
A judia comunista,
a morte pela corrosiva
mão nazista.
Algo galgo,
mas Olga,
galgo o quê?

Olga, bem necessário.
Sangue bordô,
na Alemanha derramou,
Olga Benário.

3 comentários:

Gabriel Pinto disse...

Que legal! Adorei!

Breno Peres disse...

Um grande prazer te ler novamente.

Beijo, Nêga.

Antônio Sozinho disse...

porra fer! que foda!