quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Intervalo

Homo sapiens
Ser humano
Fêmea

Filha
Neta
Irmã
Sobrinha
Sobrinha-neta
Prima

Estudante
Universitária
Estagiária
Colega

Passageira
Pedestre
Consumidora

Namorada
Amiga
Melhor amiga
Inimiga
Pior inimiga
Indiferente

O que fui, eu era.
O que sou, não espera.
O que serei, quimera.

Mas no roteiro há sempre um limite cortante
a tênue linha entre o plano inicial
e o último instante.

Cartas, quantas cartas eu rasguei no mar!...
antes de descobrir que nessa vida
é realmente proibido sonhar.

Não esconda, caro leitor, de mim o tal segredo:
assume sonhos e diz-se um sujeito ímpar
enquanto lê poemas no intervalo do emprego.

Esqueça o que falei, e me deixa morrer devagarzinho...
(...e ainda há quem programe sua morte
para antes da hora do cafezinho...)

2 comentários:

Antônio Sozinho disse...

CARALHO! ARREGAÇOU!

Fernando disse...

Me recuso a comentar. Não é preciso dizer mais nada sobre você.