segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Comparações

Meu pai é lógica, palavras escolhidas à dedo.
Minha mãe é sonho, canção da tarde de outubro.

Meu pai é grande, supremacia incólume.
Minha mãe é pequena, submissão intrínseca.

Meu pai é gritos, voz grossa e ordens.
Minha mãe é choro, soluços e sussuros.

Meu pai é soldado no quartel, paz armada entre lágrimas.
Minha mãe é acordo carinhoso, conversas e gestos.

Meu pai é piada contada na reunião social.
Minha mãe é desastre contado em casa.

Meu pai não entende as coisas que quero fazer.
Minha mãe não entende as coisas que quero dizer.

E eu não entendo como sou tão parecida com eles ao mesmo tempo.

2 comentários:

ivanespaulo disse...

Concordo contigo! Mas ao mesmo tempo nossos pais são tão crianças quanto nós já fomos... a vida é bela mesmo... rs

beijos

Daniela Patrício disse...

Não importa o qto eles são diferentes, por mais q fujamos, sempre somos um pouco deles, e nem sempre esse "pouco" q herdamos é composto por suas melhores qualidades...
Ás vezes eu acho q eu só tenho o pior de cada um...a força inabalável da minha mãe, por exemplo, eu não herdei... já a teimosia...rsrs
E do meu pai veio um insatisfação tremenda... me frusta, mas me move...
E assim vamos..."ainda somos os mesmos e vivemos [quase] como nossos pais"...
( ainda bem q existe o quase... ainda bem q dos erros deles de repente pode nascer nossos acertos...enfim...)
Mas chega de devaneios...rsrs
Adorei o texto!! ^^
Amo mto vc!
beijos