domingo, 27 de abril de 2008

Antigamente

Antigamente, o amor era mais belo quando embalado por valsinhas à meia noite.
As mocinhas não dormiam, e era comum espreitar à janela a passagem do moço que vinha do baile fazer companhia a elas (que papai não deixava sair pra dançar...)
Antigamente, os poetas erravam pelos bares procurando as melhores palavras para compor os melhores versos para sua namorada...
Oh! Quantos suspiros, quanto chorava o violão do poeta na sacada da moça!
Antigamente, se usava vestidinhos coloridos, as mocinhas prendiam os cabelos com grampos e se maqueavam escondidas com batom da mamãe (que menina de boa educação não saía por aí com rapazotes...)
Antigamente, o cinema era branco e preto, durante a sessão o mocinho pegava na mão da mocinha e daí saia um filme mais bonito do que o de cowboy! Ah, antigamente tudo era diferente...

'Antigamente' é um sonho distante,
É um choro de Pixinguinha,
É vontade de ter vivido por um instante
Toda aventura de ser mocinha.

2 comentários:

Daniela Patrício disse...

Adorei a poesia, embora não tenha mta vontade de ter vivido naquela época...rs

beijosss

ivanespaulo disse...

Adorei e complemento:

"O antigamente é um romance que temos com o passado e escondemos do presente. Afinal, somos gente direita"